António Rosa Casaco

Description level
Fonds Fonds
Reference code
PT/CPF/ARC
Title type
Atribuído
Date range
1954 Date is certain to 1954 Date is certain
Dimension and support
Dimensão: 1 documento fotográfico; Suporte: papel
Biography or history
António Rosa Casaco nasceu a 1 de Março de 1915, em Abrantes, Rossio ao Sul do Tejo. Era filho natural de Joana Rosa. O apelido Casaco foi escolhido pela mãe, que o terá ido buscar a familiares longínquos.

Segundo ele «Tive uma infância miserável, deprimente, de extrema pobreza. Foi uma fase muito dolorosa.»

Aos 10 anos já trabalhava como aprendiz de marceneiro e os 15 foi viver para casa de uma tia para Lisboa. Aí trabalhou ao balcão numa das duas leitarias do tio.

Aos 18 anos, regressou à sua terra natal e alistou-se, como voluntário, no Grupo Misto de Artilharia Montada nº 24, em Abrantes.

Terminado o serviço militar, com 21 anos, voltou para casa dos tios em Lisboa. Por indicação do seu ex-comandante, o coronel Júlio Lourenço, concorreu à polícia política da ditadura, a Polícia de Vigilância e Defesa do Estado (PVDE), de que o seu irmão do irmão Agostinho Lourenço, era diretor. Foi admitido na PVDE em 12 de Janeiro de 1937, como agente praticante e aí fez carreira, tendo sido, a partir de 1939, nomeado pelo capitão Catela para exercer funções como correio diplomático entre Lisboa e o Governo do General Franco. Passou a ir a Espanha, de comboio, pelo menos uma vez por semana. A leitura era uma das formas como passava as horas das viagem, adquirindo deste modo a cultura que não tinha adquirido com os estudos.

A 25 de dezembro desse ano casa com Ivone Viana do Espírito Santo e Silva, natural do Porto.

Em Junho de 1942 nasce o seu primeiro filho e com este acontecimento nasce também o seu interesse pela fotografia. Rosa Casaco quis tirar-lhe alguns retratos e ficou encantado pela imagem fotográfica. Aconselhado pelo amigo e fotógrafo profissional Amadeu Ferrari usou uma máquina Rolleiflex. Começou por participar, em 1945, no 8.º Salão Internacional de Arte Fotográfica do Grémio. Um ano depois da estreia, Rosa Casaco inscreve-se no Grémio Português de Fotografia (GPF) do Secretariado Nacional de Informação, Cultura Popular e Turismo (SNI) e torna-se um dos mais persistentes fotografos salonistas.

Em 1951 Rosa Casaco surge como sócio-fundador n.º 5 do Foto Clube 6x6, associação idealizada por Amadeu Ferrari e Fernando Vicente, que reunia os indefetíveis da marca que também utilizavam um formato de película (6x6) em quadratura perfeita. Até final dos anos 60, Casaco continua a participar em vários salões. Pelo meio faz também algumas exposições individuais Até final dos anos 60, Casaco continua a participar em vários salões. Pelo meio faz também algumas exposições individuais. (2006, Gomes)

A nível internacional destaca-se a medalha de ouro obtida no "Foto Klub Beograd", na Jugoslávia e a medalha de prata obtida no I Salão Luso-Hispano-Brasileiro, com a fotografia sob o título "Canal de lodo". Em 1953, aparece citado ao lado de nomes como o portuense João Costa Leite e o profissional Varela Pé-Curto no anuário americano "The American Annual of Photography"

Dada a confiança com António Salazar, presidente do Conselho, publica fotografias nos livros da jornalista francesa Christine Garnier “Vacances avec Salazar” (1952) e publica o álbum “Salazar na Intimidade”, editado por Frederic P. Marjay, em 1954.

Após a queda do regime, um dos mais temidos polícias da PIDE, refugia-se como exilado em Espanha, onde viveu 16 anos e mais tarde no Brasil. Na década de 80, foi julgado à revelia por ter cumprido as leis de estado anteriores a 1974 e condenado a oito anos de cadeia por crimes de falsificação, destruição de documentos e por ter pertencido àpolícia política.

Morreu a 11 de Julho de 2006, em Cascais, onde vivia desde 2002.



Gomes, Sérgio; 2006; Polícia político fotógrafo. http://blogs.publico.pt/artephotographica/Files/2006.08.13_Publica.pdf

Castanheira, José Pedro; 1998;Voltaria a ser PIDE

https://expresso.pt/sociedade/voltaria-a-ser-da-pide=f910227

http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/Periodicos/PlanoFocal/N02/N02_master/PlanoFocal_A1_N02_Mar1953.pdf
Functions, ocupations and activities
Polícia da PIDE
Internal structure/genealogy
António Rosa Casaco (1915 - 2006) de acordo com a sua certidão de nascimento era filho de pai incógnito. Contudo, sabe-se, no entanto, que o pai está bem identificado e conheceu perfeitamente: João Augusto Martins junior, irmão de António Augusto da Silva Martins, ex-campeão de tiro e participante nos Jogos Olímpicos de Verão de 1924, em Paris. O mesmo pai de dois conhecidos clínicos — António Gentil da Silva Martins e Francisco Gentil da Silva Martins, o primeiro o cirurgião plástico e cirurgião pediatra que chegou a ser 8.º Bastonário da Ordem dos Médicos de 1977 a 1986, este último oncologista.

Em 1939, após já estar como polícia na PVDE, a 25 de dezembro casa com Ivone Viana do Espírito Santo e Silva, natural do Porto.

O primeiro filho nasceu em Junho de 1942.

Luiz Carvalho (20 de Julho de 2006). «Rosa Casaco, ao Expresso «Voltaria a ser da PIDE»».

https://expresso.pt/actualidade/voltaria-a-ser-da-pide=f107153
Custodial history
Desconhece-se como a documentação foi adquirida pelo Leiloeiro Nuno Gonçalves, contudo na ficha do leilão o lote era anunciado como “Arquivo fotográfico do Comandante Moura Braz relativo às suas estadas por terras africanas”.
Acquisition information
Documentação adquirida por compra no leilão de Nuno Gonçalves, Leiloeiro, em 2008.
Scope and content
A fotografia retrata António Oliveira Salazar e Maria da Conceição Melo Rita (Micas), a sua pupila, como ficou conhecida, pois viveu em casa de Salazar entre os seis e os 28 anos (1935-1957) por ter sido perfilhada por este e por Maria de Jesus, governanta de Salazar.
Arrangement
Como foi um prova adquirida em leilão e não se coadona com as coleções constituídas para integrar imagens que não apresentam um contexto específico, como a Coleção de Casas Fotográfias, a Coleção de Bilhetes Postais ou a Coleção de Autores Anónimos, decidiu-se criar uma coleção em nome deste autor, atribuindo-se apenas um número.
Access restrictions
Acessível em cópia digital (aguarda tratamento de conservação e reprodução).
Conditions governing use
Reproduzível, contudo a reprodução de documentos encontra-se sujeita a algumas restrições tendo em conta o tipo dos documentos, o seu estado de conservação, o fim a que se destina a reprodução, à legislação sobre os direitos de autor e direitos de imagem. A utilização da reprodução para efeitos de publicação está sujeita a autorização da Direcção da DGLAB. O serviço informa, caso a caso, das opções disponíveis.
Other finding aid
Catálogo (digital) DigitArq.
Notes
Cota de Localização: Depósito SJ Estante 10 Prateleira 10
Creation date
9/14/2022 5:13:46 PM
Last modification
9/16/2022 12:13:16 PM
Record not reviewed.